sexta-feira, 4 de novembro de 2022

Os filhos do digital

 “Tão inteligente! Tão pequenino e já sabe ir ao Youtube sozinho!”

“Criança esperta! Domina o telemóvel melhor que qualquer um de nós!”


Quem nunca ouviu ou disse algo do género? Quem nunca ficou boquiaberto com a destreza com que os mais jovens manuseiam as novas tecnologias? 


Imagem: Unsplash


Dê um passo em frente se nunca passou para a mão de um miúdo um telemóvel, ou tablet, para o entreter num momento de tédio, para pôr fim a uma birra, para que se calasse um pouco, para conseguir fazer algo sem ser incomodado? As hipóteses são imensas e, com certeza, haverá um elevado número de pessoas a sair do lugar onde está. Com medo, com culpa ou sem qualquer sentimento ou emoção, pois este é um gesto já irreflectido,  imediato e normalizado perante uma “situação de crise”.


É tudo muito interessante até ao momento em que, já desesperados, os pais não sabem o que fazer, pois os filhos estão viciados em redes sociais, em jogos, em amigos que não conhecem. Saem de casa, de manhã, já com os olhos fixos num qualquer ecrã portátil; na escola, caso não seja proibido, passam aulas e intervalos agarrados ao whatsapp, ao TikTok e outras aplicações onde o mais provável é estarem a trocar mensagens com o colega que está sentado mesmo ao lado - não, não estão a contar segredos, são conversas banais nas quais poderiam usar um sistema muito mais desenvolvido: o aparelho fonador do qual somos naturalmente dotados; ao final do dia, depois de aulas, explicações e mil e uma atividades extracurriculares, chegam a casa e enfiam-se no quarto, onde continuam com os dedos e os olhos esgazeados pelos aparelhos que têm à mão.


E assim vão crescendo.


Os fabricantes de jogos para as mais diversas consolas existentes no mercado alegam que os seus produtos fazem desenvolver capacidades e competências que, posteriormente, são facilmente concretizadas na vida real. Há, no entanto, estudos que provam o contrário. Em jogos de combate ou de velocidade, em que são necessárias destreza, rapidez de raciocínio e acção, tudo isso não passa de ficção. Nada disso é aplicável em circunstâncias reais. Saber jogar FIFA - um dos jogos mais populares entre os amantes de futebol - não significa que se saiba chutar uma bola. Super Mário, GTA, Clash of Clans Minecraft, Simms... Há tantos outros exemplos


São horas, dias, meses, anos de ecrã. Tempo que se perde, em que pouco se aprende e com consequências devastadoras a todos os níveis: cognitivo, emocional, social e físico. Tudo acontece demasiado rápido, não há tempo de espera, logo não há tédio, logo perde-se a oportunidade de descobrir o que fazer com o tempo que se tem entre mãos.


Há miúdos que têm os melhores amigos num computador sabe-se lá onde, com todos os riscos que isso possa acarretar, porém se se cruzarem na mesma sala são incapazes de trocar uma palavra ou até um olhar. Há outros tantos cuja caligrafia é imperceptível, porque não desenvolvem a motricidade fina. Há jovens incapazes de resolver uma soma ou uma multiplicação simples, porque a calculadora fá-lo por eles. E, por incrível que pareça, uma boa parte desta geração não sabe e não consegue fazer uma pesquisa no Google!


Responsáveis? Nós! Nós que inventámos os computadores, as consolas e os telefones espertos. Nós, que lhes colocamos nas mãos o primeiro ecrã antes de completarem um ano de idade. Nós, que cedemos a chantagens baratas em troca de um pouco de sossego. Nós, que caímos na conversa do bandido, acreditando que o último modelo da marca fará dos nossos pequenos uns génios. Nós, que compensamos a nossa ausência com tecnologia.


Acredito que nem tudo seja mau, mas para que não se torne pior, teremos de ser nós, adultos, a fazer alguma coisa. Adiar os ecrãs, criar outros estímulos e, consequentemente, adoptar hábitos diferentes. Fomentar tempo de qualidade com os mais novos e criar-lhes memórias - como dizia Johann Paul Richter “a memória é o único paraíso do qual não podemos ser expulsos”



NOTA: Este artigo foi originalmente publicado, na edição 52 da revista Justiça com A

domingo, 23 de outubro de 2022

A essência


Algures no tempo sinto que a essência do Pano p'ra Mangas se foi perdendo. Foram as redes sociais, fui eu, foram todas as mudanças que aconteceram - não, não tem nada a ver com a pandemia, aliás, esta não pode ser desculpa para tudo o que se perdeu e não trouxemos para esta nova vida. Nova...está quase tudo na mesma, se virmos bem.

E como é que me dei conta disto? Agora! Apenas agora. Nunca é tarde, parece-me...

Fui a uma das estantes que tenho nos meus cinco metros de felicidade na meca de uns livros japoneses, de costura, que comprei na Retrosoaria há cerca de dez anos (UMA DÉCADA!) e os meus olhos pararam nestes dois que trouxe de Londres, também há quase dez anos.

Olhei para eles, peguei-lhes, folheei-os e pensei que os compraria de novo se fosse hoje. Afinal há coisas que não mudam e a essência é uma delas.

Na época o Instagram estava a dar os primeiros passos, ainda não havia influenciadores digitais, pouco se falava em gestão de redes sociais ou gestão de comunidades. As bloggers trocavam, entre si presentes que, depois agradeciam num post simpático. Era genuíno. Enviávamos e recebíamos sem o compromisso de ter que falar bem. Enviávamos e recebíamos porque sim. Apenas isso. Foi noutra vida, parece-me.

Às vezes perguntam-me pelo blog. Não morreu, mas tem estado em coma profundo agarrado apenas ao nome que permanece nas tais redes que o vieram destronar. Lá, os textos são mais curtos, as fotos que têm mais audiência são aquelas em que aparecemos, os posts com mais visualizações, partilhas e comentários são os que, de alguma forma, se referem a assuntos mais polémicos.

E eu fiquei a namorar os livros que trouxe comigo. Enfiei na mala também um dos meus quilts. 


Tenho saudades de escrever aqui - porque continuo a escrever noutros lugares. Tenho saudades das horas passadas no atelier e para o qual, nesta fase da minha vida não tenho tempo. Tenho saudades dos meus cadernos de aguarelas e rabiscos onde desenhava projectos que nunca chegavam a tomar forma.

Porque o que eu gosto realmente é de escrever, de fazer. Quero que me reconheçam pelo que escrevo, pelo que faço, pelo que sou, e não pelos lugares onde vou, pelas roupas que visto ou pelas pessoas que encontro pelo caminho.

Abrandar é o que se impõe. Tal como escrever, já que para fazer precisava de um tempo que agora não tenho.

Quanto aos livros, lembro-me que foram amor à primeira vista, tal como a loja onde os comprei e onde ía amiúde. O estilo shabby-chic estava muito em voga na época. Era descontraído, despretensioso, obrigava a rebuscar os baús das avós. Era - e é! - uma delícia.

quarta-feira, 2 de março de 2022


A terça feira de Carnaval é conhecida, em alguns países, como Pancake Day, que é como quem diz:
Dia de comer panquecas!

Aqui por casa come-se panquecas quando nos apetece. Qualquer dia é dia de as fazer e de as comer.

Já no Instagram parece que é o Domingo o dia delas, a não ser que façam como eu, em que um dia de praia, no Verão, rende para umas semanas de fotografias 😂😂😂 - sim, como o mesmo biquini! o que faz com que oiça muitas vezes: "Mas tu passas a vida na praia!" - só que não!

Uma dose de panquecas da minha receita rende, pelo menos, para doze unidades, o que equivale a seis pratos decorados de diferentes maneiras, e aí teríamos um mês e meio de domingos perfeitos de panquecas maravilhosas. #fakeituntilyoumakeit

Ainda assim há uma razão para este dia. A terça-feira de Carnaval antecede a quarta-feira de Cinzas, com a qual o mundo Cristão inicia a Quaresma, período que se prolonga até à Páscoa - 40 dias, para os mais distraídos - e durante o qual era/é hábito jejuar. Não, não se fica quarenta dias sem comer, apesar das guloseimas - folar e ovos de chocolate, entre outras. Renuncia-se, sim, a algumas iguarias em nome do culto, do respeito, da fé, da tradição (que já não é o que era, como diz o slogan publicitário),...

Cultura geral à parte e voltando às panquecas: a receita é a a de sempre, com um pequeno twist - substitui a chávena de leite por uma, mal cheia, de iogurte grego.

Ficaram mais altas e fofas, mas o sabor é exactamente o mesmo.

Como gosto de as servir e comer? Com tudo e com todos, porém os meus preferidos são açúcar, canela, mel, fruta, iogurte, fiambre e queijo. Um de cada vez, 'tá? Que eu não gosto de mixórdias!

São servidos?


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Corrigir testes


Todos nós crescemos a fazer testes e, enquanto estudantes, reclamávamos de cada vez que o professor chegava à aula a seguir aos ditos cujos sem que os trouxesse corrigidos. Ora bem...isto tem mais que se lhe diga!, mas na altura não fazia ideia do que estava por trás de tamanha demora.

Sim, há professores mais ágeis que outros. 
Sim, há disciplinas, cujos testes, que, pelo seu teor mais objectivo, são mais fáceis e rápidos de devolver.
Sim, há professores mais, ou menos exigentes.

Confesso: sou chatinha! E, por incrível que pareça, um teste com menos anotações não quer dizer que esteja melhor que um outro que esteja mais rabiscado, anotado, pintalgado. Por vezes não há nada que possa ser dito e isso não tem de ser nem bom, nem mau. Outras vezes há em que faço tantas anotações, setas e asteriscos que não deve ser fácil interpretar o porquê de tanta cor. 

Normalmente nem olham para o que lá escrevo. Apenas vêem a mancha colorida que invade o enunciado e passam os olhos pela nota. Depois, enfiam a folha dentro de um caderno, deixam por baixo da mesa ou atiram para a mochila. Poucos são os que se questionam. Poucos são os que têm tudo organizado. Enquanto adulta e no papel de professora, é obvio que me preocupam os primeiros e me agradam os últimos. Eu já tive a idade deles e lembro-me o que fazia aos testes quando os recebia: alguns havia que não ligava nenhuma, outros eram analisados à lupa na tentativa de descobrir alguma falha do professor para que pudesse subir a nota e outros guardava-os no respectivo caderno diário.

Tenho por norma não corrigir a vermelho. Prefiro o rosa ou o laranja. Manias ... 

Há dias dei-me ao trabalho de contar pelo relógio o tempo que levo em correcções. São cerca de três horas a corrigir oito textos (no meu caso, um texto - ou produção escrita - corresponde a um teste), em que a média de palavras ronda as 160 ou 180. Parece pouco, não é? Seria, se não tivesse mais de cem para corrigir.

Leio cada um destes textos, pelo menos duas vezes. Às vezes, três. A cada volta descubro erros ortográficos, de pontuação, de coesão e coerência. A cada volta faço anotações diferentes: assinalo reiterações, sugiro sinónimos e outras formas de escrever o que lá está.

Ao fim de algum tempo tenho de parar. Preciso destas pausas para continuar a tarefa com precisão e rigor, sem me deixar vencer pelo cansaço. Não acho certo que nos primeiros sejam corrigidos de forma mais rigorosa que os seguintes. Os critérios têm de ser iguais. Dou comigo, muitas vezes, a consultar o dicionário pois, de ler tantos erros, acabo por ficar com dúvidas. Será só comigo que isto acontece? 

Feitas as contas, demoro cerca de 45 horas com um grupo de textos de avaliação, já que depois de os corrigir ainda tenho de os classificar em infinitas e demoníacas tabelas de Excel!!!

São muitas horas, é verdade. E onde é que as vou buscar? Dava jeito ser Senhora do Tempo, com a capacidade de o multiplicar... Mas não sou. Assim, tenho de as roubar aos meus dias, à minha cama, aos meus amigos, à minha família, aos meus hobbies, às refeições, à casa, a mim... 

Podia não fazer testes? Podia!  

Quantas são as profissões que exigem trabalhar antes e depois do horário laboral? Há algumas, eu sei que há, mas não são assim tantas como tudo isso. 

E não, não me estou a queixar. Isto é um facto contra o qual não há argumentos. Quer dizer... há miúdos que argumentam também ter de estar na escola e ter de estudar depois e não receberem por isso - não recebem em moeda, é verdade, mas recebem em notas e em géneros, não têm contas para pagar nem outras preocupações do género. Percebem isso? Acho que não...



quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

Boas práticas - I

Chamar-lhe sustentabilidade parece-me demasiado pomposo, por isso prefiro dar-lhe o nome de "boas práticas", uma vez que são estas as que fazem parte da normalidade dos meus dias, e algumas desde que me entendo como gente. 

Há umas semanas encontrei a Marta - quer dizer, conheci-a pessoalmente, ou melhor ainda, ela é que me reconheceu, e após uma breve troca de palavras sobre um dos produtos que ela comercializa e eu utilizo, desafiou-me a escrever um post - que afinal vão ser mais... - sobre este assunto.

Para algumas pessoas ainda parece um bicho de sete cabeças, mas acreditem que não é, e assim que que se entranha, deixa-se de se estranhar.

Começo pelo que originou a conversa, o desafio e o post: o copo menstrual.

Já falei dele aqui e lembro-me que, na altura houve uma série de comentários, quer a favor, quer contra, públicos e privados. O que vos posso dizer é que desde que o adquiri nunca mais comprei tampões nem pensos higiénicos, o que no que diz respeito a investimento valeu bem a pena - basta fazer as contas. 

Em termos práticos: apenas tem e ser mudado de 12 em 12 horas, e não me venham com a história de que "tenho imenso fluxo" (em média um fluxo abundante é de 80ml durante todo o ciclo), porque não pega. E porquê? Com a utilização de pensos e tampões acabamos por não ter bem a noção do mesmo, porque basta um tampão ou um penso mal colocado para haver asneira e pensarmos que nos estamos a esvair em sangue. Além disso há copos com diversas capacidades: dependendo das marcas pode variar entre os 25ml e os 30ml. Parece pouco? Isto equivale, aproximadamente, a três tampões.

Outra questão levantada, na altura, teve a ver com a higiene. Sempre que falo nisto vejo caras franzidas à minha volta, numa expressão de nojo e repulsa. Confesso que antes de começar a usar também tive muitas dúvidas, porém não há nada de mais higiénico. Não, não sujamos as mãos. E o melhor de tudo: não tem cheiro! Aquele cheiro que se sente quando um tampão ou penso está ensopado - isso sim, é incomodativo, não para os outros mas para nós.

E não se sente? Não, não se sente! Depois de inserido, cria vácuo e nem se dá por ele. É uma maravilha! A primeira vez que o usei tive alguma dificuldade em retirá-lo, mas pensei: o máximo que me pode acontecer é ter de ir às urgências do hospital para mo tirarem. E não, não teria tido problemas com isso, afinal trata-se de um copo menstrual e não de nenhum objecto estranho.

O que mais posso dizer? Ler as instruções de manutenção!

"Ai, não tens vergonha de escrever sobre isto e te expores?" Meus amores, vergonha é roubar e ser apanhado, como se diz por aí.  Por que havemos de fazer de algo natural um tabu? Não é a Control Portugal que tem uma conta de Instagram que é, simplesmente, fantástica, original e divertida? E é sobre o quê? Sexo! 

Experimentem. Já há no mercado copos de vários preços e muitas vezes há promoções.

Ao longo da vida, uma mulher usa, em média 11.000 (sim, onze mil) tampões ou 10.000 a 15.000 pensos higiénicos. Um copo menstrual pode durar cerca de 10 anos, desde que a sua utilização e higienização seja feita da forma correcta.

Convencidas? Ou ainda não?

(os próximos posts ainda sobre boas práticas contemplam assuntos como: sacos de pano ecompras avulso, entre outros)

terça-feira, 26 de outubro de 2021

Outubro Rosa


São centenas, se não milhares, as campanhas de prevenção do cancro da mama que surgem todos os anos, especialmente nesta altura. Por todo o lado se angaria fundos, se faz rastreios gratuitos, se distribui informação, entre tantas outras coisas. Até há monumentos que se tornam cor de rosa, sabiam? Basta uma pesquisa no Google e encontrarão referências.

E se parte da cura está na prevenção, essa está dependente apenas de nós! Não tenhamos receio de pedir e fazer exames, mostrá-los a quem percebe do assunto e não apenas ao "amigo-do-amigo-porque-o-amigo-tem-outro amigo". Em caso de dúvidas pedir segundas opiniões e procurar o que de melhor está ao alcance de cada um de nós. Acreditem que, qualquer que seja a decisão que se tome, esta é sempre a melhor que se pode tomar no momento. 

O auto-exame também é importante e, atenção, porque se qualquer caroço é, de certa forma, fácil de detectar numa mama pequena, numa outra de maior dimensão o mesmo já é mais difícil e encontrá-lo pode ser sinal de que algo mais avançado do que o normal já cresce no corpo. Não queremos que isso aconteça.


Se 85% dos casos detectados são dados como curados ao fim de 5 anos, há os outros 15% que não deixam de ser preocupantes. Além disso, esta é uma doença que não escolhe, propriamente, a idade nem o sexo. Dos cerca de 6000 casos diagnosticados, por ano, em Portugal, aproximadamente 1% acontece no sexo masculino. Portanto, senhoras e senhores, estejam atentos aos sinais que o vosso corpo dá.

Este assunto traz-me sempre à memória o caso de uma pessoa que, sem ser familiar, me é muito muito querida, ao ponto de lhe chamar "mãe da minha alma", e que seis meses depois de ter feito exames de rotina, teve um pressentimento e pediu que lhos fizessem de novo. Lá estava ele! O resultado foi uma mastectomia dupla com rejeição das próteses que, pouco tempo depois de terem sido colocadas, tiveram de ser retiradas. Não imagino a dor e o medo. Soube desta notícia no momento em que atravessava a Ponte 25 de Abril depois de um dia demasiado longo de trabalho em Lisboa. Chorei a viagem toda, de dor e de medo, mas que não estava nem próximo do que essa pessoa estaria a sentir. Felizmente, tudo acabou bem e ainda hoje a tenho comigo.

E foi por tudo isto que abracei o desafio proposto pelo Designer Algarve Outlet para divulgar a campanha de prevenção que estão a levar a cabo. O press kit que me enviaram é maravilhoso, mas que valor teria se fizesse apenas um comum unboxing com meia dúzia de legendas a dizer que era tudo muito bonito?? Isso é para as estrelas do Instagram, não para mim. Cada um faz o que sabe, o que pode e o que sente, por isso, vesti a camisola - neste caso um lenço concebido para este evento - e gravei um vídeo - despretensioso, caseiro e rudimentar - que pode ser visto na minha conta de Instagram.

Vela: Luhme     Lenço: Iela





domingo, 17 de outubro de 2021

Um ano depois...

Eu sei, eu sei...Passou-se um ano - e tantos acontecimentos - depois do último post aqui no blog.

- mais um ano de pandemia

- um confinamento mais prolongado, difícil e devastador

- uma incerteza tão grande que passei a viver um dia de cada vez sem pensar muito no que irá acontecer depois de amanhã

- mais aulas, mais verbo to be, mais Saramago

- a primeira semana de férias desde 2013!!! (um luxo!)

- e tantas, tantas outras coisas...

É triste, contudo é verdade. As redes sociais sobrepuseram-se ao poder do blog, mas sem dúvida é na escrita que tenho a alma. O Facebook não me custa nada, já o Instagram é quase ditatorial. Por vezes penso deixá-las para trás e regressar apenas ao blog, à origem, onde tudo começou, porém as redes são tão mais fáceis e apelativas,  e tão mais trabalhosas, mas dão muito menos trabalho. Parece contraditório, não é?

São também mais apressadas, de tal forma que se nos perguntarem qual foi o último post onde colocaste um like ou deixaste um comentário, provavelmente não temos a resposta na ponta da língua, porque o consumo é tão imediato que é como um flash que nos passa pelos olhos. Memória de peixe, diria.

E o que me traz hoje aqui? Nada em especial. Talvez a vontade de trazer luz a este cantinho que tem estado apagado. Vou limpar-lhe o pó, mudar as lâmpadas e dar-lhe vida - como se de uma casa fechada durante muito tempo se tratasse.

Confesso que ligar o dinossauro do meu computador, descarregar fotos da câmera, editá-las e depois escrever leva mais tempo do que aquele que tenho disponível. Vou fazer um esforço. Há tempos experimentei a app do Blogger de forma a fazer estas actualizações através do telemóvel, mas também ela parece ter ficado no ano do meu computador. Será que entretanto melhorou?

Vou experimentar!


Fica o meu olá e até já.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blogging tips