terça-feira, 14 de novembro de 2017

Os deuses devem estar loucos - de verdade!


Agora é que foi! O quê? Passo a explicar...

Fez ontem 6 meses - certinhos - que me inscrevi no ginásio e faz amanhã 6 meses - certinhos - que comecei a treinar. O impossível, impensável e inimaginável aconteceu hoje: pela primeira vez saí do treino a pensar "Gostei disto!" É verdade - gostei de treinar, e o primeiro circuito da semana era (ERA!!!) sempre o que me custava mais...

Foi uma sensação tão, mas tão boa que até custa a acreditar. Só espero não estar a deitar os foguetes antes da festa, mas eu nestas coisas até sou bem comedida e não me exalto demasiado.

E é neste misto de felicidade  e alguma insegurança comigo própria que partilho o resultado destes seis meses.

O meu objectivo é baixar ainda uns quilos na balança, mas sobretudo tonificar os músculos que ficaram moles com a perda de peso que ocorreu entre 2015 e 2016 - é que a brincar foram quase 18 quilos e eu já não sou nenhuma miuda de 20 anos. A idade é, aqui um factor importante a ter em conta, pois o metabolismo não funciona da mesma maneira.

Assim, o que posso eu dizer?

Bem, no que diz respeito a quilos a menos, lamento constatar ( e informar) que o ponteiro da balança não se tem mexido muito. Às vezes anda dois quilos para cima e uns dias depois já recuou esses mesmos dois quilos. É que isto não é nada fácil! E eu tenho um grande defeito: eu gosto de comer! É que gosto mesmo. Não me venham cá com aqueles pequenos almoços fit de sardinhas enlatatas com papa de abacate e uma proteína ou mix de super-alimentos qualquer, que isso não me convence. Pequeno almoço digno desse nome tem de ter a bela fatia de pão torrado com queijo - sem manteiga (ahhh e o que eu adoro manteiga!). 

Depois disto, outro ponto que avalio é a resistência física. O AGORA não tem nada a ver com o HÁ SEIS MESES (sem o atrás, ok?). Quando no primeiro dia de ginásio me foi apresentada a maravilhosa da Elíptica, confesso que ía morrendo - ao fim de 5 minutos a andar naquela geringonça no nível 3 já eu estava a cair para o lado. Hoje já quase a trato por tu, excepto quando o meu joelho direito resolve dizer "hoje não"... acontece às vezes, infelizmente. Também já consigo correr, fazer agachamentos (ainda não muito perfeitos, mas...), burpees e uma série de outras coisas cujo nome eu nem sequer sabia. 

E por fim, o mais surpreendente de tudo isto: a tonificação muscular! Começo a não ter badanas (desculpem-me o uso de uma palavra tão feia, mas é mesmo a única que consegue descrever o estado das minhas pernas...), o que para mim - só isto - já é motivo de orgulho e felicidade. Sem papas na língua - nem no teclado! - as minhas partes moles já começam a ficar duras. E a celulite? Toda eu, era uma verdadeira laranja e agora estou bem melhor. Na zona do abdómen também já vislumbro uns "buraquinhos" que me deixam vaidosa. As ancas...ai as ancas e toda a sua envolvente é que são o meu calcanhar de Aquiles...😒


Tenho ainda, por confirmar, um outro benefício, mas para ter a certeza ainda vou ter de esperar umas semanas. Se se confirmar, partilharei convosco.

Até quando vou levar isto? Não sei. Não sei se há um fim ... pois se já digo que gosto, nem quero imaginar quando o bichinho pegar.

Obviamente não cheguei aqui sozinha. Toda a equipa do Dynamic Fitness tem sido essencial para este progresso. Obrigada ao João, que todos os dias me dá os bons dias e me deseja um "Bom Treino!". Obrigada ao Tiago, que me incentiva a aumentar as cargas e faz bullying aos meus ténis 😁😁😁. Obrigada ao Carlos, pela paciência de repetir os exercícios que eu não consigo fixar (teve de exemplificar umas três vezes como é que se fazia um burpee, pois nas primeiras semanas eu nunca sabia como aquilo funcionava). E por fim, obrigada à Joana que além de me fazer os planos de treino, me deixa sempre uma palavra de motivação no final dos mesmos.

(Junho de 2015/Novembro de 2017 )

A regra para conseguir tudo isto? Apenas uma: Insiste. Persiste. Não desiste!
E mais...não importa a idade. O que importa é começar! Com maior ou menor frequencia, como maior ou menor intensidade. Eu não comecei o ballet aos 41? Por que não haveria de começar ao ginásio aos 42?

Pano p'ra Mangas

domingo, 12 de novembro de 2017

Quem nunca morreu de amor?

De quando em vez tenho entre mãos a leitura de Frei Luís de Sousa, de Amor de Perdição ou até das Viagens na Minha Terra. Clássicos. E como todos os clássicos, intemporais. Em comum? O morrer de amor! Mais ou menos trágico - como se morrer de amor não fosse o trágico suficiente...

E talvez tenha sido este amor (que não me mata!) pelos autores do Romantismo que me tenha chamado a atenção para o título do mais recente livro de Eduardo Sá, Quem Nunca Morreu de Amor, editado pela Lua de Papel. Não me lembro bem onde - algures no FB, com certeza, apanhei também duas ou três frases que me deixaram alerta e fizeram com que o acrescentasse à minha wish list na Wook

Ontem, como estava completamente virada do avesso, isto é, em DIA NÃO!, achei que não podia esperar pela entrega de uma encomenda online e fui à Bertrand para comprar o livro. Primeiro folheei-o para ter a certeza, contudo não foi necessário muito tempo para decidir adquiri-lo.

Comecei a lê-lo enquanto saboreava um café e quando dei por isso já estava de lápis na mão a sublinhar, rabiscar, escrever notas - é por isto que não empresto livros. Os livros são só meus. Além do que é escrito pelo autor, ponho muito de mim em cada um deles e, confesso, que tenho algum pudor em partilhar o que me vai na alma e que sentimentos me desperta cada linha ou cada página. no momento da leitura. Gosto sim, de tempos mais tarde voltar àquelas anotações e tentar perceber o que esteve por trás delas. Manias, sei lá. É como cheirar os livros antes de os começar a ler...


Quem Nunca Morreu de Amor lê-se num acto quase compulsivo. Termina-se. E depois volta-se atrás para saborear cada bocadinho que ficou antes da última página. Sim, fica-se com vontade de mais. E não, não é necessário lê-lo de seguida. É daqueles livros que nos permite saltitar, abrir ao acaso e ler, como que em busca de alguma mensagem. E sim, foi escrito para mim! - tenho a certeza de que todos os leitores dirão o mesmo, provavelmente não pelas mesmas razões, mas sim, o livro foi escrito para cada um deles (ou cada um de nós, como quiserem).

Se acham que só fala de coisas boas, bonitas, românticas, apaixonadas... desenganem-se. Também toca em feridas que podem ser mais ou menos profundas, que nos deixam a pensar, que nos fazem questionar a forma como vivemos (passado ou presente) ou queremos viver o amor.


E porque não quero que achem que digo estas coisas em vão, partilho convosco algumas das minhas citações favoritas: 

..."sempre que não se abre uma história de amor alguma coisa em nós, de forma misteriosa, se desencoraja e desencanta!" (p.13)

"As minhas histórias felizes não têm final. Talvez por serem felizes..." (p.13)

"o contrário de tristeza não é felicidade, e é bom que se lembre. Mas a vivacidade. Essa ideia de que estamos felizes quando não estamos tristes não é verdade. O paraíso não é um sítio sem dor. É um lugar onde a dor nunca nos leva senão à sabedoria." (p. 90)

..."os amores de perdição são uma paixão em nada diferente das outras. Aquilo que as distingue é que a eternidade não tem prazo de validade." (p. 116)

"Só quando dois corações trocam de peito, e um bate pelo outro, estamos prontos a amar." (p. 174)

"O amor para ser amor, precisa de gestos. Necessita de surpresas. Mas precisa, sobretudo, de palavras." (p. 15)

"Andas à procura de alguém perfeito? Não! - devia ser a resposta. Ando à procura de ter a certeza de quem mereça o meu amor!" (p. 16)

Pano p'ra Mangas

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

O primeiro vídeo oficial!

Depois de há uns dias ter dito que me andava a apetecer fazer uns vídeos, à laia de youtuber, não esperei que a ideia arrefecesse e pus mãos à obra.

O resultado é este que hoje partilho convosco. Falta-me o know how de como gravar e editar decentemente, adicionar legendas nos sitios certos, fazer uma "entrada" (chama-se "genérico", não é?) com um ar mais arranjado, ... enfim, uma série de competências que ainda não tenho, mas que espero vir a adquirir com o tempo e a experiência. Como diz o ditado "Roma e Pavia não se fizeram num dia", além disso aqui pelo Pano p'ra Mangas a equipa é constituida por "me, myself and I" sem recurso a mão de obra especializada.

O vídeo foi gravado na semana passada, por isso poderão perceber que está desfazado no tempo (falo no "feriado de ontem"...mas onde é que ele já vai) e na meteorologia (acreditem, a tempertatura já não está para mangas curtas...)

Se quiserem acompanhar esta minha aventura - que não sei quanto tempo durará... - na vlogosfera, subscrevam o canal do Pano p'ra Mangas AQUI. Obrigada!


Nota: Na realidade este não é o primeiro vídeo, pois no Natal de 2015 fiz um a desejar Boas Festas - que foi um sarilho para o completar. E depois fiz outro com os cortes do primeiro, e que afinal saiu muito mais engraçado 😂


Pano p'ra Mangas

domingo, 5 de novembro de 2017

O mundo encantado dos bonecos de pano

Já perdi conta aos bonecos de pano que fiz nos últimos anos. Vendi uns dois ou três e devo ter oferecido perto de uma dúzia. Prefiro oferecê-los, porque sei que são tratados com o carinho e respeito que merecem. "Carinho e respeito"? - perguntarão. Sim! Porque são esses os ingredientes que coloco em cada um deles. Não faço dois iguais. Nem são iguais aos que uso como modelo. 

A titulo de brincadeira andei a percorrer os cantos à casa na meca dos que ainda andam por cá. Estes são meus. Não os dou e muito menos os vendo. Ah, e não aceito encomendas, caso já estejam com ideias (mais abaixo já explico porquê).

Eu adoro fazer estes bonecos, pois nenhum é devidamente pensado com antecedência. Eles vão nascendo à medida que os vou fazendo. Até posso ter uma ideia de como os quero vestir, mas é quando estou com eles na mão e a máquina de costura à frente que me deixo levar pela personalidade de cada um e pelo meu estado de espírito. Gosto de pensar nos detalhes - como a gola e a algibeira da camisa do boneco, ou do nome que lhes vou dar - como à minha "mini me", que vesti de acordo comigo. Levo horas a fazer cada um deles, de preferência em silêncio - um silêncio bom, de paz comigo própria, de meditação, de sonhar acordada.

Por incrível que pareça consigo lembrar-me de quando fiz cada um deles e o que me motivou. A gatinha foi a primeira das primeiras - comecei logo com um projecto complexo, pois todas as peças do corpo são separadas e os braços movem-se. Os coelhos foram feitos em épocas diferentes, sendo que um deles foi feito em conjunto com outro igual que ofereci a um sobrinho que estava internado nessa altura. A bailarina, tem razões óbvias e fi-la no ano passado. O menino fez parte de um conjunto mais vasto e que tinha de tudo um pouco... É mais ou menos isto 😊


Agora ando encantada com a Maria Inês, que fiz no workshop com a Rute Granja, alguém que "conheço" há anos - ainda da época em que o Flickr era, por excelência,  a rede social das crafters - mas que só agora tive a oportunidade de conhecer a sério. E é óbvio que estou mais que encantada com a Margarida, ou seja, uma "mini me" com quase todos os ingredientes que me caracterizam: o ser rechonchuda, friorenta e ter um fraquinho por saias de xadrez (hei-de fazer uma com uma saia de pregas, mas ainda não é hoje...)


Quase todos os bonecos da foto foram feitos com base nos moldes da Tilda, da Black Apple Doll e da Rute Granja.

Conseguem eleger um como preferido? Se sim, qual?

Sobre o vender bonecos. Porque é que não o faço? Porque quando faço preço para um trabalho destes, a primeira coisa que oiço é: "É muito caro!". Ao que me apetece responder: " Então faça! ... e depois diga-me se é caro." Eu já nem faço contas ao preços dos materiais - que não são nada baratos!. Faço contas, sobretudo ao tempo (não dizem que tempo é dinheiro?) que se leva a fazer um trabalho destes - entre 6 a 12 horas, dependendo dos detalhes. Por isso, cobrar pelo valor dos materiais, mais "um pouquinho" pelo trabalho, seria desvalorizar tudo, e eu não trabalho de graça. E é por isto, que prefiro oferecer a quem eu acho que merece.

Pano p'ra Mangas

domingo, 29 de outubro de 2017

Foodie Experience - uma experiência saudável!


Nunca tanto se ouviu falar em "alimentação saudável" como agora, especialmente quando os nossos sentidos são bombardeados com dezenas, para não dizer centenas de produtos classificados como junk food - alguns deles disfarçados de saudáveis... E não é que eu tenha alguma coisa a ver com isso, mas confesso que me causa alguma impressão quando, na fila do supermercado, começo a reparar nos carrinhos à frente ou atrás de mim: pizzas, lasanha, salsichas, refeições congeladas, sopas de pacote, bolachas e mais bolachas, sumos, refrigerantes...ahhh e daqueles "cubos mágicos" que trazem tudo para temperar. Eu sei que desenrasca uma situação de crise, mas quem enche os carrinhos com estas coisas não é com certeza para uma situação de crise.

As pessoas ainda precisam de ser educadas, é verdade. Comer mais frutas, vegetais, carne e peixe tudo de uma forma equilibrada. Por isso, é de louvar a iniciativa que o Aqua Portimão teve na semana passada, o Foodie Experience, que teve acima de tudo uma função pedagógica. Ao longo de 4 dias, várias foram as convidadas que tiveram a responsabilidade de partilhar o melhor que sabem sobre isto da alimentação saudável baseado, sobretudo, na sua experiência. A cada espectador coube a tarefa de tirar o maior partido possível destes momentos.


Obviamente que a esta função didáctica estiveram associados momentos de lazer e alguma diversão e ninguém saiu de lá a perder. Tiveram, todos a oportunidade de provar alguns sumos feitos na hora e snacks de frutas e cereais, também eles confeccionados à vista de quem lá estava. Para quem não tem medo da balança, houve uma nutricionista a avaliar a condição física de quem quisesse e a quem eram dados conselhos sobre o que deve ou não se deve comer.


Eu tive o prazer de ser convidada para estar presente no sábado onde a estrela do dia foi a actriz Rita Pereira, que ainda tentou partilhar com quem assistia alguns dos hábitos alimentares que pratica. Infelizmente não foi tão bem sucedida como o previsto, pois a multidão - provavelmente a tal que precisa ser educada - estava mais interessada nos beijinhos, nas fotos e nos autógrafos. Foi pena, pois tenho a certeza que haveria algo mais interessante para ouvir.


Certamente vim mais rica desta tarde bem passada, pois é sempre um prazer encontrar outras bloggers* - umas que já conheço e outras passo a conhecer - com quem partilhar experiências, dicas e claro...fotografias. 

Obrigada, Aqua Portimão, pelo convite. Foi um prazer, uma vez mais!💗


Créditos das imagens:
1, 2, 5, 6, 7, 8 e 9 - Aqua Portimão
10 e 11 - Janine Medeira

* As bloggers: Beatriz, Joana, Janine, Inês, Cristiana e Samanta

Pano p'ra Mangas

domingo, 22 de outubro de 2017

Este não é um post sobre lingerie!


Porquê?
Porque este é um post sobre estarmos bem connosco próprios, com o que trazemos dentro e por dentro de nós.

Acho que já contei aqui esta história, mas não sei onde nem quando, por isso volto a repeti-la. Há uns anos, numa conversa meio casual, meio séria com uma amiga de infância da minha mãe, a quem trato por tia - não na acepção da Tia(zorra), mas de alguém que considero como tal e que, na verdade é a única que pessoa que na minha vida representa esse papel - dizia-me ela: “Margarida, é importante que todos os dias vistamos a nossa melhor e mais bonita lingerie, pois isso vai-se reflectir naquilo que transparecemos ao mundo!"

Todos os dias me lembro disto: o que é bonito por dentro, vê-se por fora!

E é verdade! Quem se sente bem com umas cuecas apertadas ou com um soutien cujas alças estejam sempre a escorregar? Ninguém! O mesmo se passa com o que vai cá dentro : a tristeza, o rancor, a raiva, os sentimentos que nos apertam a guelra ou fazem explodir torpedos, ... para quê?

Se esses sentimentos são por alguém, mais vale cortar o mal pela raiz, que é como quem diz: deitar as cuecas apertadas no lixo, pois se as despimos e pomos para lavar, inevitavelmente virão novamente parar à gaveta da roupa lavada. O que nos causa incómodo deve ser resolvido, depressa - de preferência, mas sem precipitação, pois esta é a maior e melhor aliada de um tiro no pé. Não é fácil, mas não é impossível.

Se esses sentimentos são para connosco próprios, então o caso pode ser mais desafiante e demorado, é que é mais complicado resolvermos o nosso relacionamento connosco próprios do que com os outros. Aqui não dá para colocar as cuecas no lixo... Parar para pensar. Falar com quem está próximo. Consultar alguém que nos possa ajudar. Entrar em acção. Dar passos que sejam à medida das pernas. Seguros. Pouco a pouco todos os problemas podem ser resolvidos. E por cada vitória conquistada, um prémio para que a vitória não caia no esquecimento (lembram-se do meu prémio por ter atingido a meta dos menos 14kg?).

(De repente até parece que estou a escrever num qualquer código: cuecas apertadas, sentimentos negativos e agora um tiro no pé??? OMG, Margarida não bebes mais nada...)

Por isso, amanhã de manhã - e em todas as manhãs que se seguirem - vistam a vossa melhor lingerie e saiam à rua de sorriso no rosto e de bem com a vida. Se todos fizermos isto, os dias correm muito melhor.

E porque este post começou com um par de cuecas apertados e um soutien de alças escorregadias, por que não terminar com lingerie bonita - daquela que é só para nós, porque sim, porque nos merecemos!



Toda a colecção My Intimate Cantê - liiinnddaaa de morrer - aqui (confesso que só conhecia os fatos de banho e biquinis deata marca, mas há dias descobri a lingerie no Instagram e fiquei apaixonada)








Pano p'ra Mangas

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Favourite shops: Retratos d'Aldeia


Em Lisboa, as lojas a granel já não são novidade, mas aqui pelo Sul - onde tudo leva cerca de dois anos a chegar (é bom que acreditem em mim, porque é verdade! sinceramente não compreendo este fenómeno...) - depois do fecho das mercearias mais tradicionais deixou de ser possível adquirir certas coisas a peso (sim, no Mercado Municipal e nos mercados semanais isso é possível, mas apenas há os tradicionais leguminosas e pouco mais), até que no Verão abriu a Retratos d'Aldeia.

Desde a abertura que lá queria ir, mas um dia por isto e outro por aquilo e ainda não tinha acontecido. Até à semana passada, em que arranjei um buraquinho no meu horário e fui lá, até porque não é muito longe de onde estou a maior parte do tempo e posso ir a pé.


Fiquei encantanda mesmo antes de entrar. Porquê? Porque na montra está uma ardósia que diz "tem avonde", o que em "algarviês", quer dizer "tem bastante" ou " é suficiente", e esta é uma expressão que normalmente só oiço em casa - o meu avô usava-a imenso e o meu pai também a diz. Acreditem que me aqueceu o coração ver aquilo ali. 💗


Entrei. Percorri as caixas acrílicas que contêm os produtos a granel: nozes, amendoas, tâmaras, sementes sem fim, farinhas com e sem glúten, beterraba em pó (este foi o produto que mais me surpreendeu!), açúcares, aveia, arroz, leguminosas, ... um sem fim de coisas boas, muitas delas de origem biológica devidamente certificadas e identificadas. Depois há os chás, também a peso. E ainda outras delícias como iogurtes vegan, pães caseiros variados, barritas energéticas, manteigas de amendoa e amendoim. Tudo com um ar tão fresco e delicioso que apetece trazer, só porque sim.

E entre uma bancada e outra fui conversando com a muito simpática Sara, a mentora deste projecto fantástico e a quem desejo todo o sucesso do mundo.


Durante a nossa conversa, fiquei também a saber que aqui podemos encomendar os cabazes de produtos hortícolas e frutas biológicas Pé de Salsa (as encomendas são feitas até segunda-feira e as entregas são à quarta-feira). Ainda não os experimentei, mas já soube de fonte segura - alguém que não tem nada a ver com a mercearia - que todo o recheio dos cabazes é de excelente qualidade.


No meio de tudo isto consegui comprar apenas aquilo que levava em mente - e não foi fácil!: amendoa para fazer em casa manteiga de amêndoa. Cheguei a casa, pus a Bimby a trabalhar e eis que em minutos tinha uma deliciosa manteiga de amêndoa feita pronta a consumir.


Para a manteiga de amêndoa:

250g de amendoa com pele
1 c. de chá de óleo de côco.

Colocar a amêndoa no copo da Bimby e pulverizar. Com a espátula, fazer descer o miolo colado às paredes do copo e continuar a moer até ficar uma pasta. Adicionar o óleo de côco e moer durante uns segundos. (Não sei velocidades nem tempos porque fui fazendo a olho, apenas parando a Bimby para verificar o estado e a consistência da pasta)

Pano p'ra Mangas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blogging tips