terça-feira, 3 de julho de 2018

Treinar fora de casa: BLIVE FITNESS

Entenda-se "casa", como aquele ginásio que frequentamos habitualmente, ok? Não me estou a referir a treinos de rua ou treinos feitos com base em apps ou programas como o T25, de que a Janine falou há dias e que tem sido a loucura - a piada é que dias antes, uma seguidora do IG me tinha falado exactamente do mesmo. 

Já estive a ver e não é para meninos. Até sou capaz de experimentar, mas não agora. Decidi interromper o exercício físico durante o mês de Julho. Porquê? Várias razões: com o espectáculo do Atelier do Movimento a aproximar-se, os ensaios têm sido em maior número e, confesso, o meu corpo não aguenta...; também não posso arriscar qualquer lesão, pois eu gosto de treinar, mas o ballet é aquele AMOR MAIOR com o qual assumi um compromisso pessoal; Regressarei em Agosto depois deste turbilhão que é, não só, físico, mas emocional.

Paragens à parte...

No fim-de-semana que tive de férias plenas resolvi que iria fazer um treino a meio da viagem. Houve quem me tivesse perguntado se eu tinha batido com a cabeça em algum lugar eheheh, mas não. Parei em Beja e fui treinar no BLIVE FITNESS.

Sabem aquelas imagens de ginásio que parece só existirem no Pinterest ou no Instagram? Pois bem, esses ginásios existem mesmo e o BLIVE ([bilive] ou [bilaive] - como quiserem...) é um deles. É altamente instagramável!!! (mas não foi por isso que lá fui...)

O BLIVE é mais que um ginásio!É um universo de saúde e bem-estar, físico e mental. Pelo que me foi dado a conhecer e pelo que acompanho nas redes sociais é um espaço muito, muito completo - como deve haver poucos. Tem gabinete de estética e massagem, gabinete de osteopatia, gabinete de nutrição desportiva, uma pequena loja de suplementos e equipamento personalizado e personalizável a SHAKEYOURSELF, uma cafetaria com apetitosos e saudáveis snacks, a BSPOT, e diversas salas de treino: uma box de cross fit, a BOX 11, uma área enorme de máquinas/musculação, uma área de cardio, uma sala de spinning, e outras duas onde acontecem aulas de grupo e uma academia de jiu-jitsu brasileiro. Ahhh, e os balneários? Perfeitos para todas as selfies do mundo ah ah ah  Irresistíveis, mesmo!

Enquanto treinei, e sem qualquer pedido especial (cumpri o meu plano de treino habitual), tive o acompanhamento de uma PT, que me foi dando indicações das máquinas a usar e corrigindo algumas posturas. Sempre, sempre de perto. E não fez isso só comigo. Pelo que pude observar, fez isto com outras pessoas que estavam a treinar em simultâneo. 

Aqui, funciona, ainda, o BinYou que tem como missão o "treino mental e comportamental de pessoas e de equipas que pretendem melhorar a sua performance de vida" através de processos de coaching (individual ou em grupo), mindfulness, inteligência emocional, programação neuro-linguística, entre outros.  Muito bom. Muito bom, mesmo! (e digo isto, porque a pessoa por trás deste projecto é uma das responsáveis pela reviravolta que dei à minha vida, e a quem estou eternamente grata) Para eventos e workshops ver aqui >>

Há frases motivacionais por todo o lado e repete-se a BELIEVE YOU CAN porque é isso mesmo que temos de fazer: acreditar ! É impossível ficar-lhe indiferente.

Embora eu saiba que o PpM é mais lido acima do Tejo, recomendo a quem venha mais para Sul e que esteja pela zona de Beja, que visite o BLIVE FITNESS, que treine lá, que faça esta experiência. E no final, se na cafetaria houver salame de chocolate peça dois: um para provar e outro para me enviar, pois é delicioso eheheh  (o salame que levei foi a salvação daquela muito longa viagem... vou querer a receita!)

Pano p'ra Mangas


sexta-feira, 29 de junho de 2018

Um luxo de férias: H2otel Congress & Medical Spa

Chego a Junho sempre estoirada e este ano foi particularmente cansativo, pois trabalhei que nem uma doida durante Abril e Maio, com poucas folgas, quase ou nenhum descanso - às tantas contabilizei 29 dias seguidos de trabalho sem parar. A formiga trabalha no Verão para sobreviver o Inverno e eu faço exactamente o contrário. 
Tive de parar. Dois dias (!!!!) sem uma pontinha de trabalho foi o luxo a que me dei. No ano passado foi-me oferecido um voucher para o H2otel Congress & Medical SPA e andei a reunir condições para o poder usufruir sem grandes preocupações. Marcação feita. Tanque atestado. Pneus novos no carro e lá fui eu...

arquitectura do espaço é, simplesmente fantástica - por dentro e por fora - e é impossível ficar-lhe indiferente. Jorge Palma, o arquitecto - homónimo do outro Jorge Palma, que canta e compõe - , tem um portfolio de cair para o lado e este hotel é uma autêntica joia. Está completamente integrado na paisagem e, de longe, nem se dá por ele - não que não seja imponente, mas porque se confunde com a envolvência, quer pelos materiais, pelas cores ou pela própria estrutura - mas isto sou eu a divagar, pois nada percebo de arquitectura.
A meio da viagem, que foi muitooooo longa, apanhei a minha irmã e lá fomos nós celebrar os 13 anos de Pano p'ra Mangas. Esta viagem/férias/celebração só fazia sentido na sua companhia, pois este blog nasceu pelas nossas quatro mãos.

O H2otel fica em Unhais da Serra, também conhecido como Vila Amor (há montanhas de corações por lá espalhados eheheh - nem de propósito!), que não tem mais de 500 habitantes e fica perdido no meio de serras - muitas delas ardidas no ano passado. É de cortar o coração...

Acordar aqui foi deslumbrante, pois como cheguei já de madrugada não me apercebi do lugar onde estava. Fiz os últimos quilómetros em piloto automático...

Como o tempo esteve mau, não sentimos grande necessidade de sair de lá. Ainda fizemos uns passeios a pé pela vila e conhecemos alguns locais, mas isso fica para outro post, caso contrário entupo este de fotos, pois são difíceis de escolher. Assim, e para quem me enviou perguntas via Instagram durante o fim-de-semana em que lá estive:

Foram apenas duas noites. Queria ter ficado outras duas, mas não pode ser. Tentei aproveitar ao máximo o Aqualudic, um espaço dentro do hotel e que reune diversas áreas e que faz parte de um complexo maior, o Aquadome onde há , ainda, um SPA e umas termas. 

Uma das grandes vantagens deste hotel é não termos de nos preocupar em desfilar modelos das últimas colecções, não vá parecer mal. O dress code é: roupão, chinelos, fato de banho e touca de piscina. What? Não, não estou a brincar. É mesmo isto!  - logo ao pequeno almoço, que é de comer e chorar por mais.

O Circuito Celta - no Aqualudic - é composto por piscinas interiores e exteriores de água aquecida, uma deliciosa cascata, saunas várias, duches com diferentes temperaturas...uma verdadeira delícia. Um local perfeito para se estar sem horas a relaxar. Se tivesse de eleger um espaço favorito, seria o Hamman - uma sauna húmida repleta de luzinhas que nos faz sentir que temos o céu estrelado por cima.

A quem recomendo este hotel? A qualquer pessoa! Sozinha, numa escapadinha romântica, com amigos ou em familia. Vi lá familias com crianças bem pequenas, mas devido às restrições de idade nas saunas, turcos e jacuzzis talvez seja mais difícil gerir quem pode desfrutar do quê e, sinceramente, ter de gerir stresses deste género ali, é perder metade do que pode ser experienciado.

Apenas uma nota: façam a reserva com antecedência, pois está sempre esgotado. Felizmente, aqui não há época baixa e como fazem aqui muitos congressos fica facilmente lotado. Apesar disto, não damos pelo número de pessoas lá dentro...impera um silêncio tãoooo relaxante.

O staff é todo muito atencioso - acreditem que ter chegado às três da manhã, completamente esgotada de uma viagem demasiado longa (não tanto em quilómetros, mas em tempo) e ter sido recebida com um sorriso afável fez toda a diferença.

Ficam as imagens para memória futura e para me lembrar que há momentos em que as coisas boas não acontecem só aos outros. 

Obrigada, Eclat. 
Obrigada ComfortZone.
Obrigada por este mimo, que - só a título de esclarecimento - não teve nada a ver com o blog.

Pano p'ra Mangas


terça-feira, 19 de junho de 2018

Estar-se só. Sentir-se só. Ser-se só.


A diferença que um verbo faz. Um verbo e a forma como se encara o adjectivo.

Acho que tenho tenho créditos mais do que suficientes para falar sobre este assunto e sobre as diferenças entre estes estados de alma, de coração e de corpo - sem falsos pudores, que a idade é um estatuto e dá-me o direito de falar sobre muitas coisas que outros escondem e sofrem com isso.

Deitar os fantasmas cá para fora sem fazer o papel de "coitadinha" não é fácil. Aliás, se há sentimento que abomino é o da "pena" : não há nada mais desgastante e miserável que sentir pena de alguém ou sentir que alguém sente pena de nós. O "síndrome da coitadinhice" é algo que não me assiste. De todo! Falo por mim, é evidente, mas acredito que quem sofra dessa doença não seja, nem consiga ser, minimamente feliz.

Eu estou sozinha há muito tempo. Há anos sem fim, para ser sincera. Há demasiado tempo, até. Contudo, não me sinto só. Não sou só. Aquela expressão do me, myself and I é o meu retrato.

Estar, sentir e ser são palavras tão diferentes...

Aprendi, com a vida, a viver em paz com isso. Aprendi a viver comigo e a estar comigo - e olhem que há dias em que até eu tenho dificuldade em me aturar. Aprendi que não é essencial ter alguém - um namorado, um marido, um companheiro - para me sentir feliz. Aquela metáfora da outra metade da laranja não me faz sentido, até porque as laranjas não crescem nas árvores às metades...

Ir fazer um passeio sozinha. Ir almoçar sozinha. Ir ao shopping sozinha. Passar um, dois, três,... mil serões e noites sozinha. Nada disto me faz confusão. Nada disto me causa angústia - a não ser quando penso na velhice.

Como em muitos outros aspectos da minha vida aprendi a aceitar tudo isto como um facto, com a serenidade que sempre vi na minha avó - que perdeu um filho demasiado jovem e, poucos anos depois, ficou viúva. Viveu sozinha até quase aos seus últimos dias e nunca senti nela a angustia da solidão que atira muitas pessoas para o fundo do poço.

Ahhh, mas isto não faz de mim a super-mulher com super-poderes  de capa voadora e escudo defensor, ou, como diz a canção, capaz de "amar pelos dois". Eu amo por mim, não pelo outro. A canção pode ser bonita, mas amar pelos dois? À letra é algo demasiado triste...

Quando oiço "devias arranjar um namorado!" (ahhh o que eu adoro quando alguém me diz que eu "devia" fazer alguma coisa...nem imaginam!), ou "assim é que tu estás bem!" (o que diabo é isso de "assim" e "estar bem"?) fico sem resposta e penso "smile and wave, Margarida... smile and wave." Enfim, é muito fácil dar palpites sobre a vida e o bem - ou mal - estar alheio, do que falar com a pessoa e escutar o que ela tem para dizer - se a mesma quiser falar, obviamente.

E se na maior parte dos dias eu estou bem, sinto-me bem e "sou-me" bem só, outros há que me apetecia chegar a casa e ter um(s) abraço(s) à minha espera. Um colo. Um aconchego. (sim, eusei que só estou a ver a parte boa da coisa, ok?) Como já disse, eu não visto a capa da super-mulher. Vistas as coisas de uma forma prática: eu sou uma laranja e quando encontrar o meu limão, juntos faremos uma "limolaranjada"!

E porque é que escrevo isto hoje? (nem é bem hoje, pois já tinha grande parte deste post escrito há umas semanas...). Porque me apetece. Porque me apetece mostrar o meu lado forte, mas também mostrar que tenho um lado menos forte. Porque este assunto tem surgido em conversas, leituras, por aí... Porque há pessoas que não sabem estar, sentir-se ou ser-se sós, sem estarem, sentirem ou serem a solidão - uma coisa nada tem a ver com a outra. Porque há mais pessoas como eu - e eu conheço algumas. E porque há outras que, estando acompanhadas, são e sentem-se sozinhas.

A solidão é tramada! Estar-se, sentir-se ou ser-se só é completamente diferente.

Se continuo a acreditar no AMOR? Se continuo a acreditar que AQUELE AMOR anda por aí pendurado num limoeiro? Acredito, pois! Mas não vou fazer disso um campo de batalha nem vou andar por aí, desesperadamente, de pomar em pomar à procura do limão certo. Ele existe. E quando aparecer, aparece. E brindaremos com a tal "limolaranjada"!

Pano p'ra Mangas

domingo, 20 de maio de 2018

Peónias: as minhas flores preferidas

Raramente tenho a oportunidade de ter em mãos flores realmente bonitas. Não é que não as possa, de vez em quando, ir comprar, mas aqui na terrina elas não estão disponíveis e à vontade do freguês. Dou-vos um simples exemplo: no Dia da Mãe quis comprar peonias...fui a quatro floristas que tinham as portas abertas e com filas até à entrada. Em nenhuma delas havia peonias ou nada que fosse diferente. Apenas gere eras, cravos e rosas... Até podem achar que estou armada em mete nojo, mas dessas flores há sempre a rodos. São demasiado normais. São bonitas, mas bolas... NÃO!

Para comprar peonias ou hidrangeas, por exemplo, tenho de as encomendar com uns dias de antecedência no fornecedor e, no mínimo, elas vêm aos molhos de 5 ou 10 pés. 

Ontem tive uma oportunidade, dessas raras, de ficar com algumas das minhas flores preferidas e que tinham como destino o lixo. Oh que desperdício! Levei-as para casa, com a devida autorização, e estive quase duas horas a separar o que seria para deitar fora daquilo que queria aproveitar. No final, fiquei com as mais lindas peonias, crisântemos (a flor do amor, sabiam?), algumas rosas e meia dúzia de cravos, entre outras.

A minha afilhada ganhou uma peonia. A minha vizinha, ainda contra a sua vontade, lá ficou com uma jarra de flores e as restantes encheram-me a casa. Até o meu atelier do chão às bolas foi premiado com um pequeno arranjo.

Quase de certeza que não cumpre as regras do que deve ser um arranjo floral. Se calhar nem devia ter esse nome, mas eu fi-lo para mim é gosto dele. Aproveitei as flores tal e qual como elas estavam, sem cortar pés ou ajustar tamanhos. Amanhã mudo-lhes a água para durarem mais tempo (esta é a regra que não quebro).

Eu gosto de flores. Não tenho muito jeito para a coisa, mas gosto.  Haverá alguém que não goste?

Pano p'ra Mangas

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Um ano de loucura no Olimpo!

Doze carimbos preenchem o meu cartão do ginásio. Quase nem acredito nisto! É uma espécie de estranheza com felicidade e incredulidade, tudo em simultâneo. Como é que isto aconteceu? Às vezes acho que nem eu sei bem..
Levei anos a fio a dizer que a última coisa que faria na vida era frequentar um ginásio. Dizia para mim mesma coisas como "Que horror!, "Que seca!", "É só gente a exibir corpos!", "Uhhgghhh!"

Olhem...como diz o ditado, "pela boca, morre o peixe!"

Apesar do ballet, com o peso que perdi, aliado ao factor idade, eu tinha o corpo muito mole, especialmente na zona interior das coxas. E não gostava de me ver ao espelho sem roupa... Ainda não amo, mas já gosto...quer dizer, tolero. Eu nasci com as pernas gordas e uma anca de alguidar - o que é que hei-de fazer? Nunca, em tempo algum terei espaço entre as coxas! Nunca chegarei à perfeição, exigida pela Virginiana que existe em mim, mas irei fazer o melhor que puder.

Antes de me inscrever num ginásio, andei a sondar as hipóteses, até que fui ver um que fica a menos de um minuto - a pé - da minha casa. Aqui não teria a desculpa do estacionamento, nem da distância, nem da chuva, nem do calor, nem de nada!!!! Assim, depois de o ter visitado, inscrevi-me - Sábado, dia 13 de Maio (...afinal, milagres acontecem eheheh). Comecei na segunda feira seguinte, dia 15.

Ao início custou-me. Ainda tinha aquele ódio de estimação a pairar na cabeça. Com o tempo e com a minha persistência as coisas foram mudando. Fui, muitas vezes, em sacrifício, só porque sentia a obrigação de ir. Já o disse aqui que levei seis meses até começar a gostar de praticar exercício físico. Sim, seis meses - há a teoria de que levamos 21 dias a adquirir um hábito, não é? Tretas! Qual 21 dias, qual carapuça...foram 6 meses, certinhos. Vou, por norma, 3 vezes por semana - e quando me inscrevi achava que só iria uma a duas vezes, nunca mais que isso - , às quais acrescento duas aulas de ballet.


Já tive vários planos de treino. Os dois últimos foram desenhados pelo mais recente PT que, por mera coincidência, eu conheço desde miúdo, pois é irmão de uma grande amiga. Não é para lhe dar qualquer tipo de graxa, mas a verdade é que são os planos que mais gosto, com excepção do remo, e que têm sortido mais resultados. Obviamente isso ainda me motiva mais. Não tenho um PT particular, pois não ganho para tal, mas o acompanhamento quer do António, quer do João sempre presentes e a dar-me indicações do que estou a fazer bem ou mal têm sido importantes e muito motivadores.

Não ando por lá a levantar quilos e quilos de halteres e pesos. Os exercícios são variados, persistentes e são um mix de cardio com musculação - sem grandes pesos, já o disse (acho que entre barras e halteres, o máximo que carrego são uns 10kg...). Estou também a aprender a correr...mas ao fim de 5 minutos já estou de língua de fora eheheh

Quem diria...41 anos sem levantar o rabo da cadeira e, de repente, resolvo fazer ballet e um ano e meio depois dá-me na cabeça em ir para um ginásio. Os deuses só podem estar loucos!!!

Feitas as contas, o que já dispendi neste tempo dava para ir fazer uma pequena viagem, comprar uma mala de marca ou até um computador novo, mas prefiro ver isto como um investimento no meu bem estar físico e mental a longo prazo. É, também uma questão de saúde e não só de vaidade.


O ballet continua a ser o meu AMOR MAIOR, mas os treinos também já têm um papel importante na minha vida. Se, neste momento, tivesse de abdicar de um deles, acreditem que já teria dificuldade em escolher e por razões muito diferentes. Contudo, o ballet ainda sairia vencedor nesta luta sem ringue.

A mensagem que vos quero deixar é que nunca é tarde para começar e que quer que seja. Deixem os complexos para os outros - para aqueles que ficam a olhar de lado e a desejar estarem no vosso lugar. Eu não sou mais do que os outros, mas acreditem que se eu fui capaz, qualquer um de vós também é.

Pano p'ra Mangas

terça-feira, 8 de maio de 2018

Há coisas mesmo especiais!


Durante as arrumações profundas do meu “atelier do chão às bolas” encontrei coisas das quais já nem me lembrava - e acreditem que ainda foram algumas, pois são muitos anos a acumular tralha... Deitei muitas destas tralhas fora, dei outras e ainda tive algumas boas surpresas, como este retalho de linho.


Tem história, este pequeno pedaço de tecido, história essa que nem eu sei bem o que dizer dela. Haverá por aí alguém com poderes mágicos que ma possa explicar?

Como sabem, vivi em Londres durante um ano e meio, mais precisamente entre 2012 e 2013 e um dos meus passatempos preferidos era visitar as maravilhosas feiras dedicadas ao artesanato que por lá há. Umas vezes comprava coisas, outras ía só mesmo ver, dependendo do estado da minha carteira. E foi numa destas feiras - já não sei qual - que me apaixonei por este pequeníssimo retalho.Afinal não foi numa feira...leiam e vejam a nota no final do post.

Comprei-o sem pensar no que faria com ele. Era tão pequeno... uns meros 23cm por cerca de 40cm. Custou-me £1,50. Era bonito. Tão bonito. Mas tão bonito que fiquei presa a ele. O padrão, clássico, com uma bailarina, as sapatilhas de pontas, as pequenas frases ligadas ao ballet... Guardei-o. Trouxe-o na bagagem e voltei a guardá-lo numa das muitas caixas com tecidos que tenho. Perdi-lhe o rasto e acabei por me esquecer dele.

No meio das arrumações e do destralhar reapareceu. Eu nem queria acreditar no que os meus olhos estavam a ver: um pequeno rectângulo de tecido que, mal dava para o que quer que fosse, com motivos de ballet clássico. Apeteceu-me chorar de felicidade. Não consigo explicar.

Tinha de fazer algo. Sim, porque passados estes anos, ele faz todo o sentido na minha vida, pois eu já faço parte do mundo encantado do ballet, ou quiçá o contrário...o ballet faz parte da minha vida. 

No sábado, depois do workshop DESCOMPLICA - que vai ficar para outro post - peguei no tecido e pus-me a magicar sobre o que conseguiria fazer dali. Bem...com um tecido a combinar, conseguiria fazer um saco para as minhas pontas. Rebusquei as minhas caixas e até as da minha mãe, mas nada! Confesso que senti a frustração apoderar-se de mim, até à chegada do meu pai que me disse: “ A Eunitecidos está aberta até às 18h!”. Eram 17:35. Peguei nas chaves do carro e voei até Faro.


A Eunitecidos é uma loja que abriu em Faro na quinta-feira e é, simplesmente, o paraíso! Tem centenas de tecidos diferentes, muitos coordenados, básicos, plastificados, lycras, ...eu sei lá! É um mundo!!! Ali, teria de haver algo que combinasse com as minhas bailarinas. Percorri as prateleiras quase todas. Não me apetecia só bolinhas ou quadradinhos. Queria algo mais, e o linho não tinha umas cores fáceis: um fundo azul acinzentado ou cinzento azulado - como quiserem -, e um estampado a castanho escuro, quase preto. Não desisti enquanto não saí de lá com o que queria. Encontrei!!!! Difícil seria se não encontrasse... 

Regressei a casa feliz e não parei até ter o meu novo saco das pontas terminado e com as ditas cujas lá dentro. Quase me esquecia de jantar - ahhh, como eu gostava de me esquecer de comer mais vezes...

Ontem já o levei para a aula. É especial. É mesmo especial! Olho para ele e questiono-me sobre o que me terá levado a comprar um tecido clássico com bailarinas...

Sobre isto do ballet tenho dois mistérios por explicar: o deste tecido e o deste poema que escrevi há mais de 10 anos, quando tinha a mania que sabia escrever. Há por aí alguém com algum palpite ou solução?

Nota: Andei a vasculhar o histórico do blog e encontrei o post em que mostro o tecido que só agora usei. Foi comprado em Fevereiro de 2012, numa das minhas lojas favoritas - a Ray-Stitch 💗 E pelo meio deparei-me com memórias deliciosas... ai Londres...


Pano p'ra Mangas

domingo, 6 de maio de 2018

Poupadinhos e com vales - a revista!

Há pouco lancei no blog um repto sobre que assunto gostariam que escrevesse hoje. Apesar das poucas visualizações e das fracas participações, ganhou a terceira opção, em que eu sugeria falar sobre a novíssima revista Poupadinhos e com Vales da muito querida e aplaudida Janine Medeira.

Não tinha nenhumas fotos, a não ser a que publiquei há dias no Instagram, por isso - e perdoem-me já estar em trajes menores - lá fui tirar mais umas  para ilustrar este post. 

Em primeiro lugar quero dar os PARABÉNS e desejar MUITO SUCESSO,  quer à Janine quer à Mediacamp por mais esta “filha” que não deixou ninguém indiferente. 

Em segundo lugar, quero passar um ralhete à Janine por, há dias, numa conversa, me ter dito que esta sua revista era popularucha comparada com a Tribo. Não há comparação possível, e popularucha - ou qualquer outro diminutivo com tom depreciativo está riscado do dicionário. Bolas! Mais ou menos tenho acompanhado este projecto e sei que tem dado muito trabalho, tirou muitas horas de sono à Janine e outras tantas à familia.

Pessoalmente gostei da revista. Está muito bem conseguida a nível gráfico - fontes, imagem, paginação, ... e outras coisas que pessoas mais entendidas na matéria saberão dizer.  Ahhh, o papel - adorei! (é mate - eu detesto revistas de papel glossy)

         
A entrevista com o António Raminhos está giríssima e despretensiosa. Tem algumas dicas de como construir mealheiros, por exemplo, mas também fala de outras coisas, como o seu estilo de vida e de como gere as suas finanças.

Tem uma página repleta de apps que para mim foram uma surpresa, tem dicas de moda - nem todas muito low cost, mas ser poupado não quer dizer que tudo o que se compre tenha de ser barato. Até porque o conceito de barato ou caro é muito relativo. Como eu costumo dizer: uma coisa é ser caro, outra coisa é eu não poder comprar. Entendidos?

Também gostei das páginas com algumas receitas. Aquelas coisas que parecem ser mais práticas comprar do que cozinhar e, contas feitas, sai muito mais caro comprar. Posso por, exemplo, dizer-vos que na minha casa nunca entrou um pacote de molho bechamel e, pelo menos desde que me foi diagnosticada urticária, molho de tomate embalado também não entra cá em casa. Um conselho? Vejam os rótulos: a quantidade de corantes e conservantes chega a ser assustadora!

Mais coisas... 
- como conseguir vales de desconto: eu não ligo nenhuma a isso, mas a partir de agora vou estar mais atenta
- vales de desconto para usar em algumas lojas/marcas
- tem poucas páginas de publicidade descarada - yeeesss!!!!
- é mensal e está à venda por dois euros

Estou curiosa para saber como será o próximo número!

Janine, como já te disse, em jeito de brincadeira, a data para o lançamento não podia ter sido melhor escolhida: May the 4th - be with you!
Pronto, agora que já vos fiz a vontade, já posso ir dormir. Até amanhã!

Pano p'ra Mangas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blogging tips