quarta-feira, 14 de outubro de 2020

#amormaior


Os últimos meses têm sido, deveras, atribulados. Se por um lado o computador tem ficado encerrado, por outro a correria tem sido imensa e, confesso, quis aproveitar a praia até ao último momento que, só por acaso, coincidiu com o dia do meu aniversário.

Apenas na semana passada dei como encerrado o meu horário e, acreditem, este ano não foi fácil conjugar vontades, anos lectivos e horários a roçar o esquizofrénico. A isto, junte-se o facto de ter sido obrigada a preparar mais um espaço para conseguir dar explicações - não que o número de alunos tenha aumentado, mas as exigências do "bicho papão" assim demandaram. Ainda não chegámos ao fim de Outubro e uma das minhas mesas já está a perder a cor de tanto desinfectante...

Ainda assim, e porque as saudades já eram muitas, consegui arranjar tempo para regressar ao ballet. Pois é, um ano e meio depois de ter parado, voltei a calçar as sapatilhas e as minhas pernas já se queixam dos pliés eheheh Ahhh, mas sabe tão bem!

Ter conseguido regressar foi também motivo de reflexão. Reflectir sobre o quê? Bem, sobre as causas que me levaram a parar. Sem dúvida que a falta de tempo - horas livres - foi a maior, contudo a ausência de disponibilidade ditou a paragem. É que falta de tempo e falta de disponibilidade são duas coisas completamente diferentes. 

Tive um projecto entre mãos que acabou por não dar em nada, mas pouco tempo depois comecei com outro que está a dar frutos, que eu estou a adorar, que me deixa pelos cabelos mas que chegou na hora certa. Não se diz, por aí, que Deus escreve certo por linhas tortas? Ora, de tanto escrever aqui e ali, agora ganhei uma espécie de céu.

Eu sei que há muitas pessoas que me acompanham por aqui, e eu deixei este espaço entregue às ervas daninhas, mas não fugi e tenho estado mais presente no Instagram e no Facebook.

Tentarei escrever por aqui mais vezes... Deixa ver o que o futuro me reserva.

Agora, vou ali ao lado vertir o maillot, as collants e as meias-pontas pois o meu #amormaior espera por mim. 

...5, 6, 7 e 8. Primeira posição. Plié!

Pano p'ra Mangas

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Dia Mundial da Fotografia

Pelo que vejo só aqui escrevo de mês a mês, o que já nem é mau, tendo em conta a conjuntura. Vamos ver se é hoje. Para trás ficam alguns posts que não passam de rascunhos e que, relidos, já não fazem muito sentido. É o que dá escrever consoante os humores...
A propósito do Dia Mundial da Fotografia, estive há pouco a ver as minhas máquinas fotográficas - não que tenha muitas, mas as que tenho fazem parte da história da minha vida, cresceram comigo e eu com elas.

A minha primeira Kodac tem ainda um rolo 110 com 24 fotografias, sendo que metade ainda está por usar. Recebi-a de presente de Natal com 11 anos e a primeira foto que tirei com ela foi à minha avó. Lembro-me como se fosse hoje. Ela estava de roupão, a varrer o pátio e eu, sorrateiramente, tirei-lhe uma foto. Ficou tão zangada comigo... Levei cá um raspanete que nem imaginam. É que naquela época a fotografia era algo que ainda requeria alguma preparação - nem que fosse a roupa ou a pose - e apanhá-la assim, sem estar aprumada, foi um terramoto! Lamento não saber onde anda essa foto, mas no dia em que a encontrar, partilho-a aqui.

Por perto tenho, também uma Half Frame, que no espaço de uma foto tira duas e assim é possível construir histórias - storytelling em fotos, hein?! Foi-me dada pela minha irmã e em Londres era companhia certeira. Também esta tem um rolo lá dentro, mas há tanto tempo que já perdi o tino à sequência de histórias que comecei a construir. Como para obter este resultado, as fotos têm de ser tiradas aos pares, parece-me que já deve estar tudo desemparelhado.

Sempre à mão está, igualmente, a Instax Mini 8 que me foi oferecida pela Fujifilm Portugal numa viagem que fiz com a marca em 2014. Lembram-se? Entretanto já sairam umas quantas outras versões, muito melhoradas, bem como outros modelos que eu adoro.

Mais perto ainda tenho a Canon e a sua lente de 50mm. A 18-55 está avariada e confesso que não me apetece mandar arranjar - às tantas é só pó acumulado, o que impede que funcione. Não sei! Deste modo obrigo-me a angulos mais difíceis e a uma ginástica visual e corporal "obrigatória" para o uso da mesma. Confesso que não a tenho usado assim tanto. Todo o processo de tirar as fotos, descarregar para editar e blá bla bla se tornou aborrecido e pouco interessante. Falta-lhe o wifi, é o que é!| (desculpas...)

Por último: a câmera das câmeras - a do meu telefone! Sou incapaz de gastar muito dinheiro num telefone, mas tendo em conta que é também um instrumento de trabalho, o último que adquiri foi uma extravagância - pelo menos para mim!  - e adoro-o, pelo menos enquant não começar a crashar. Posso fotografar em modo manual, trabalhar só a abertura de lente, tem modo nocturno, enfim... Não é um Porsche, mas serve para o uso que lhe dou.

E hoje? Já tirei alguma foto especial? Não! Shame on me!!!!

Pano p'ra Mangas

sábado, 18 de julho de 2020

Faro: a cidade aberta ao mundo

Faz hoje, dia 18 de Julho, precisamente 7 anos - aquele número que dizem ser mágico - que regressei à minha cidade, após uma ausência de quase dois anos.

Lembro-me, perfeitamente, da sensação de ter regressado a um lugar diferente daquele que deixara em 2011. Faro, capital de distrito, apesar de ter um aeroporto internacional mesmo ao lado era uma cidade morta, com pouca ou quase nenhuma vida e onde o turismo era escasso.

Era. Tinha sido. Já não era mais.

Tornou-se um lugar atractivo e apetecível, onde os turistas foram aparecendo aos poucos, não só no Verão mas ao longo do ano inteiro. E não me refiro apenas a turistas estrangeiros, os próprios portugueses começaram a ficar por aqui - afinal, estamos no centro litoral do Algarve e estamos mais ou menos equidistantes da fronteira com Espanha e com o lugar "onde a terra se acaba e o mar começa", segundo Camões.

2020 prometia ser um ano extraordinário, mas algo maior que o nosso poder chegou e arrasou aquilo que tem levado anos a construir: hotelaria, restauração, museus, até as ligações aéreas... Ainda assim, não se pode baixar os braços e tudo deve ser feito para que as portas não fechem - é que queiramos, quer não, uma porta fechada é sinal de que toda uma pirâmide, outrora forte, desmorona.

Quem me segue há mais anos sabe que, de vez em quando gosto de vestir o papel de turista e saio à rua de máquina fotográfica na mão para explorar as ruas como se as olhasse pela primeira vez. O que faço de seguida? Aqui, ou numa das redes sociais onde o Pano p'ra Mangas - Facebook e Instagram -  está presente, partilho aquilo que os meus sentidos captam no momento.
Hoje, apetecia-me voltar atrás no tempo, aterrar novamente no Aeroporto Internacional de Faro e ver a a cidade a crescer. Depois, apagaria 2020 do calendário. Quem sabe se este 7 - o número que referi no início - não é sinal de um recomeço?

Para recomeçar proponho uma visita ao passado - não num tom saudosista, mas num tom de como é bonita a minha cidade.

As ilhas:
Ilha do Farol ... outra vez!

Para passear:
Onde comprar:

Lugares com história:
Palácio de Estoi ... que nunca cansa!

Saborear:

Eventos:

Que este por do sol represente o nascer de um novo dia, já amanhã!


domingo, 28 de junho de 2020

Quase no fim...

... o ano que, definitivamente, mais me marcou nos últimos tempos. 

Continuo a contar os anos pelos períodos lectivos, talvez pelo facto de o meu aniversário ser em Setembro, quando as aulas começam ou porque a minha actividade principal tem fim a cada mês de Maio ou Junho - conforme se tenho alunos para preparar para exames, ou não.

E porque é que este 2019/2020 foi assim tão marcante? Por várias razões... Foi marcado, indubitavelmente, por desafios do caneco, com um bicho invisível pelo meio, que tenho conseguido manter afastado do meu meio.

Houve fins. Houve princípios. Houve reinícios. Houve pausas. Houve lágrimas de tristeza, desespero e súplica. Houve desilusões. Houve sorrisos, sonoras gargalhadas e felicidade. Houve surpresas. Tudo isto emoldurado por palavras - muitas palavras!

Já o ano lectivo ía em modo up and running quando surgiu o convite para dar aulas de Escrita Criativa. Hesitei. Tive medo. Era como pisar um palco pela primeira vez em que a plateia é pequena e te julga de alto a baixo, mede as tuas palavras, estuda os teus gestos, ouve - quase sempre - os teus erros e não te poupa a críticas mordazes. Embora já tenha passado muito tempo, lembro-me bem do que era ser aluna, mas também me lembro a primeira vez que pisei uma sala de aula com 23 anos acabados de fazer e nenhuma experiência. Aceitei o desafio! Não digo não a um bom desafio! Afinal, era o concretizar de mais um sonho de menina, do qual fui obrigada a desistir pouco tempo depois de ter terminado a faculdade.

A verdade é que não há, que eu saiba, licenciaturas em Escrita Criativa, mas cinco anos de Estudos Portugueses, a ler há quarenta anos,  mais de vinte a escrever por aqui e por ali e quase dez a dar explicações para alguma coisa me servem.

Fui "praxada" logo na primeira aula. Entusiasmada, comprei canetas coloridas para quadro branco - apesar da existência de um quadro de ardósia na sala - e, movida pela frescura escrevi, com orgulho, o sumário daquela que era a minha primeira aula. O burburinho nas minhas costas deu origem a um silêncio sepulcral. Viro-me e há uma aluna que - de riso encolhido - me diz: "Pr'ssora, isso é o quadro interactivo!". Ía morrendo! Vi a minha vida a andar para trás. No final foi risota pegada e tudo não passou de um susto. Lição aprendida: passei a usar o quadro de ardósia!

A meio do ano e de forma abrupta viemos todos para casa. Contudo, não foi por isso que o ritmo abrandou... Os primeiros quinze dias foram de desconcerto, desorientação e receio. Confesso que, ingenuamente, pensei que este recolhimento durasse apenas duas semanas. Só que não!
À medida que as notícias íam avançando, fui perdendo explicandos... not good! Ainda assim, aceitável. 

As aulas e explicações começaram a ser feitas a partir de casa. Primeiro só com trabalhos e depois via Zoom e Teams. Improvisei um canto que não invadisse a minha privacidade e que, em simultâneo fosse agradável a quem me visse do outro lado do ecrã. Decorei-o com as minhas pessoas, e com momentos bons - tinha de haver algo positivo no meio de tudo isto.
O cansaço foi levado, muitas vezes, à exaustão. 

Houve dias em que me sentava ao computador às 9 da manhã e me levantava às 9 da noite.
Houve dias em que fiquei sem voz.
Houve dias em que tive de adiar aulas porque as náuseas eram insuportáveis.
Houve dias em que achei que o meu velhinho computador já não aguentasse.
Houve dias em que tive de ir buscar um segundo par de óculos para colocar em cima dos meus e, como se não chegasse, ainda usava o zoom da camera do telemóvel para conseguir ler.

Graças a Deus nunca tive de me preocupar com refeições e isso foi uma verdadeira benção. 

Não sei como será em Setembro. Setembro é sempre tempo de mudanças - e na minha vida já houve tantas, como escrevi há uns meses...

Sei que tenho saudades dos meus miúdos: de lhes colar - na brincadeira - um ponteiro à testa para ver se a matéria entrava melhor, de lhes abrir os olhos e torcer o nariz, de rir com eles, de ser confidente, de lhes fazer bolos para o lanche, de celebrar cada uma das suas vitórias pessoalmente. 

Mas sei que os meus explicandos não precisam de ser de Faro... Eles podem chegar-me de qualquer ponto do país, pois o trabalho que foi desenvolvido individualmente com cada um deles não perdeu qualidade. Continuo e continuarei a dar-lhes a cana para que aprendam a pescar.

Só darei por terminado o ano depois das reuniões de avaliação - e ainda tenho algumas grelhas por preencher!

Fica, desde já o meu MUITO OBRIGADA a todos os que se mantiveram comigo nestes meses tão diferentes quanto duros.

Pano p'ra Mangas

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Ilusões


Quando o confinamento teve início - para mim, no dia 13 de Março - criei a ilusão de que não só a coisa apenas duraria umas duas semanas, como teria tempo para fazer uma pilha de coisas que normalmente não faço e outras que deixei de fazer.  Pensei que regressaria à prática regular de exercício físico, que conseguiria fazer este ou aquele curso, que teria tempo para ler mais, fotografar mais, criar mais peças de cerâmica ... até regressar mais amiúde à blogosfera.

Tudo não passou de um filme que fiz na minha cabeça!

Li algumas coisas, sim e de vez em quando tenho pegado na máquina fotográfica. 
Hoje percebi que não vinha cá há quase dois meses...
Cursos? Quais cursos? 
Cerâmica? Também não!
Passo tantas horas em frente ao computador que acabo por não ter energia para mais nada. De vez em quando sou assaltada pela vontade de "amanhã vai ser diferente", mas chego ao fim do dia com os olhos tão moídos, a cabeça cansada e o rabo (ainda mais) quadrado, que a tal vontade vai para o mesmo lugar de onde partiu sem que tenha saído do lugar.

Queixo-me? Sim e não! Afinal não fiquei sem trabalho e, mesmo de casa, tenho conseguido gerir a minha actividade. Perdi algum income, é verdade, mas não o suficiente para entrar em desespero.

Há dias em que penso que era capaz de trabalhar sempre em modo remoto, mas rapidamente afasto esses pensamentos da minha cabeça. Tenho saudades dos meus miúdos, de lhes preparar um bolo para o lanche e de lhes medir o humor quando lhes abro a porta.

Isto de passar o dia a uma curta distância do computador é duro! Chego a ter náuseas e quebras de tensão. Mas vai passar...
E se acredito que vai ficar tudo bem? Não, não acredito. Pelo menos nos próximos tempos. Vai ficar bem, aos poucos - isso sim, acredito, mas não é já.
Pano p'ra Mangas

terça-feira, 7 de abril de 2020

Vai ficar tudo bem. Mesmo?

A Primavera ao meu lado faz-me acreditar de que tudo isto vai passar.
Se vai ficar tudo bem? Não, não vai. Não são hashtags carregadas de arco-íris que me vão fazer crer nisso. Seria ingenuidade da minha parte ou fuga à realidade. As coisas não se resolvem num estalar de dedos, nem com uma poção mágica, nem com uma borracha que apaga as letras que, a lápis, escrevemos num papel.
É, antes, uma folha de papel amarrotado que, por muito que a estiquemos não voltará a ser nova. Não vamos querer escrever um hino à vida ou uma carta de amor numa folha amarrotada. Teremos de nos erguer e ir na meca de uma nova. Aí, sim, poderemos começar a escrever o futuro.
O depois vai ser duro. Mais para uns do que para outros, como em tudo. E sim, (até) vai ficar ( tudo) bem, mas não já. Não, se ficarmos apenas à espera que passe. Não, se não arregaçarmos as mãos e tivermos a coragem de recomeçar.
Haverá sempre os oportunistas. Haverá sempre os preguiçosos. Haverá sempre os fracos. Haverá sempre os fortes.
Cabe-nos a nós escolher quem somos e o que iremos fazer. Em prol de uma consciência colectiva e não apenas do próprio umbigo. Não poderemos, deste modo, culpar o outro por aquilo que nos aconteceu, acontece ou irá acontecer.
Para já, resta-me esta Primavera de dias cinzentos e papoulas vermelhas.

Pano p'ra Mangas

sábado, 4 de abril de 2020

Caderno + washi tape = caderno perfeito!

Como se não tivesse cadernos suficientes... Na última ronda que fiz pelas minhas tralhas encontrei mais uns quantos, todos por estrear. Manias, sei lá! Adoro!

Hoje fiquei com mais um! Quer dizer...dei um ar diferente a um que já cá tinha. Não é um projecto original, pois quando estive em Londres fiz algo semelhante com um caderno comprado na Cass Art (aaahhh, as saudades que tenho dessa loja...) e o de hoje devo ter comprado na Muji, em Lisboa. Já não me recordo.

Ora bem... Trouxe para perto de mim o meu frasco de washi tapes e separei-as por cores. Apercebi-me que não tenho nenhuma onde impere o verde! Separados os rolos, contei o número de folhas do caderno: 32! A partir daqui foi construir uma espécie de arco-íris de washi tape: uma para cada folha! Foi difícil a escolha, confesso. 
Ao longo de todo este processo fui tirando fotos. Nem imaginam as saudades que eu já tinha de pegar na minha camera. A sensação que tenho é que preciso reaprender a usá-la. Não, as fotos não foram tiradas em modo automático, mas até acertar com a coisa, ainda levei algum tempo. E também não as editei antes de as publicar. Vieram mesmo a cru. Soube-me mesmo bem!!!

Feitos os preparativos, chegou a hora de dar forma a este simples projecto: ordenei os pequenos rolos na minha frente e à medida que ía cobrindo o extremo de cada folha com uma tira de fita, colocava-a novamente dentro do frasco. 
É, de facto, um trabalho simples, que exige apenas tempo e paciência, contudo o resultado final é mesmo, mesmo giro! No fim, aparei todas as pequenas sobras.
Para o reproduzirem não necessitam de tantas fitas... Duas ou três, alternadas, será o suficiente.

Porque e como tenho tantos rolos de washi tape? Não, não os comprei agora nem os encomendei do Aliexpress. Esta é uma colecção que tenho feito ao longo dos últimos dez anos... sim, dez anos - ou mais. É que já nem me recordo quando comprei o primeiro. E sim, dentro daquele frasco tenho uma pequena grande fortuna e cada rolo tem uma história. Nem todos são da MT - os mais caros - e os últimos comprei na FNAC numa promoção irresistível: 0,50€ cada um!

A capa vai ficar assim, pois seria demasiada palhaçada para um objecto só. O que vou fazer com ele? Para já vai para a estante. fazer companhia aos demais. Depois logo se vê-

Pano p'ra Mangas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blogging tips